Home | @busar | FAQ | Notícias | Processos | Imprimir | CADASTRO | ATUALIZAÇÃO | PAGAMENTO | SEU IP : 54.161.40.41
ABUSAR e INTERNET 
Apresentação
Como se inscrever
Benefícios
Atualizar Cadastro
Teste de LOG OFF
Perguntas freqüentes
Links recomendados
Contatos
Custos

Biblioteca
Dados Internet Brasil 
Material de imprensa
Notícias: News Fórum
Notícias publicadas
Termos/Cond. de Uso
Circulares
Linha do Tempo

LEGISLAÇÃO
Justiça
Processos
Regulamentação Anatel
Documentos
Consulta Pública 417

TECNOLOGIA
Manuais
Modems - Configuração
Testes de Velocidade
Conexão/Traceroute
Autenticação
Tutoriais
Tecnologias
VoIP
Portas
Provedores
Antivirus
Hardware Cabos
Linux: dicas de uso
Redes privadas VPN
Softwares (download)
FTP Abusar Pitanga

SEÇÕES
AcesseRapido
ADSL
AJato
BRTelecom
Cabo
Humor
Neovia
Rádio
Sercomtel
StarOne
TV Digital
Velox
Vesper Giro
Virtua

Serviços GDH


Guia do Hardware

Fórum GDH

Serviços ModemClub

SpeedStat
Teste sua conexão
Mostra IP
Descubra seu IP e Host Name
Suporte ModemClub

Fórum Banda Larga

Clube das Redes
Clube do Hardware
ConexãoDLink
Fórum PCs
InfoHELP -
Fórum
Portal ADSL - Fórum
PCFórum
- Fórum
Tele 171

Fale com a ABUSAR
Escreva ao Webmaster
Material de imprensa

Copyleft © 2002 ABUSAR.org
Termos e Condições de Uso

Speakeasy Speed Test

WEBalizer

Webstats4U - Free web site statistics Personal homepage website counter


Locations of visitors to this page
 
Brasília, terça-feira, 31 de dezembro de 2002
CEDOC - Assinaturas - Classificados
  e-Tudo  
etudo@correioweb.com.br

Pendenga judicial - Guerra de tribunal

Ação do Ministério Público de Bauru põe fogo na disputa dos usuários com os provedores de Internet por banda larga.
Telefônica simplesmente desobedece liminar da Justiça e a Anatel


Fabricio Rocha
Da equipe do Correio

 
A informação ficou escondida o quanto pôde. No começo de dezembro, começou a se espalhar. Mas desde 25 de novembro os usuários paulistas do Speedy, o serviço de conexão por ADSL da operadora Telefônica, estão oficialmente dispensados de contratar o serviço através de um provedor de Internet. A ordem foi dada por um juiz federal de Bauru, no interior paulista, e abre um considerável precedente para que usuários de ADSL de todo o país — como os brasilienses que usam o serviço da Brasil Telecom — possam também se livrar do gasto extra que o provedor representa.

  A ação foi iniciada pelo procurador Pedro Antônio de Oliveira Machado, do Ministério Público de Bauru, e o juiz José Francisco da Silva Neto, da Terceira Vara Federal de Bauru, concedeu a liminar em 11 de outubro, classificando-a como ‘‘realização antecipada de produção probatória pericial’’. Em outros termos: a liminar obriga a Telefônica a liberar uma senha de acesso a quem quiser tentar a conexão sem provedor, e se der certo ficará provado que o provedor não é realmente necessário para o acesso à rede. O texto, totalmente reproduzido no site da Associação Brasileira de Usuários de Acesso Rápido à Internet (www.abusar.org), também impõe que a companhia não exija a contratação de um provedor para os clientes do Speedy.

  A Telefônica, a Associação Brasileira dos Provedores de Acesso, Serviços e Informações da Internet em São Paulo (Abranet-SP) e até a própria Anatel — também citada na liminar como ré — entraram na Justiça com um agravo de instrumento, uma espécie de recurso contra a liminar. A alegação é de que todas estão cumprindo o artigo 61 da Lei Geral de Telecomunicações, que, em termos não tão claros, define o que é Serviço de Valor Adicionado (SVA), classifica o provimento de acesso à web como SVA e proíbe as operadoras de telefonia de atuarem como provedores de SVAs.

  A desembargadora Alda Basto negou o recurso em 13 de novembro e acertou no ponto em que a Lei Geral das Telecomunicações é falha: ‘‘Inicialmente, torna-se oportuno distinguir o que se denomina provedor de serviço de conexão e o que se denomina provedor de serviços de informações’’. Mais adiante, o texto menciona reportagem do e-Tudo (‘‘Pagar Pra Quê?’’, de 5 de março deste ano), em que foram citados os testes feitos por usuários do Speedy que comprovaram que os dados não passavam por um provedor. A desembargadora conclui que o serviço de conexão não pode ser considerado um SVA. ‘‘Ademais, não detecto qual seria o prejuízo da ré em virtude da ausência de contratação de um provedor de conteúdo, pois, se o seu objetivo é a prestação do serviço de comunicação, cumpre a ela tão somente zelar pelo cumprimento de sua obrigação e pelo recebimento da respectiva contraprestação’’, finaliza.

Desobediência
Daí à Telefônica obedecer a ordem, é outra história. A reportagem do Correio entrou em contato com a central de atendimento da companhia, pelo fone 0800-121520, passando-se por um cliente interessado no Speedy. A atendente disse, sem qualquer justificativa técnica, que não é preciso provedor para se tornar assinante, mas que o provedor é imprescindível para a navegação. Questionada sobre a repercussão atual sobre a liminar, disse com todas as palavras: ‘‘A decisão da liminar é válida somente para os clientes que já tinham o Speedy. Os novos contratos exigem o provedor.’’

  Já no dia 18 de outubro, a juíza federal substituta Janaína Rodrigues Valle assinou ordem judicial para aumentar a multa diária pelo não-cumprimento da liminar, de R$ 5 mil para R$ 50 mil. ‘‘O descumprimento às decisões judiciais é fato de extrema gravidade, que não só fere o direito fundamental da parte à efetividade da jurisdição, como também constitui afronta ao Estado Democrático de Direito, princípio nuclear da República Federativa do Estado’’, diz o texto. ‘‘Todavia a petição e documentos retro noticiam que até a presente data a referida decisão não foi cumprida adequadamente, e o documento de folhas 638/639 revela de forma patente que a ré Telefônica continua exigindo a contratação de provedor por parte do consumidor para o uso do Speedy’.

  A mesma ordem também impõe a multa à Anatel, ‘‘de forma que não há como se alegar o descumprimento da respectiva decisão por parte da Telefônica em função de exigências da Anatel’’. A agência enviou comunicados à Telefônica, nos dias 18 e 22 de novembro, pedindo que a liminar fosse respeitada e obedecida. Através de um escritório de advocacia, a companhia respondeu à ordem da juíza que em nenhum momento deixou de respeitar a Justiça.

Legislação
Por meio de sua assessoria de comunicação, a Anatel informou que apenas obedece e faz serem cumpridas as leis, como a LGT, que não são elaboradas por ela, e sim pelo Poder Legislativo. A agência também anuncia que a legislação não impede que as empresas de telecomunicação criem seus próprios provedores, na forma de subsidiárias.

Essa não é a primeira briga judicial sobre a contratação de um provedor para o acesso em banda larga à Internet. De qualquer forma, é a que já chegou mais longe, mais forte e é a primeira ação pública contra a prática — até hoje, apenas indivíduos ou membros de associações como o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) foram beneficiados. Daniel Fraga, administrador de sistemas e cliente do Speedy, começou um processo individual contra a Telefônica em outubro de 2001, depois de ter o acesso bloqueado por romper o contrato com um provedor de acesso.

  ‘‘Procurei o Juizado Especial Cível, ganhei em fevereiro de 2002, mas uma semana depois a Telefônica bloqueou de novo o acesso. Desde então estou esperando o julgamento do recurso’’, conta Daniel. Ele acusa a companhia de fazer venda casada e formação de cartel: ‘‘A Telefonica fica com aproximadamente 80% do que é pago aos provedores, por isso todo o interesse dela’’. Daniel acredita que seu processo será julgado ainda esta semana.

  A direção da Brasil Telecom, operadora de telefonia que oferece o serviço de ADSL em Brasília, declarou por sua assessoria que está ciente do caso da Telefônica, mas que ainda não estudou em profundidade a questão porque até agora não há qualquer ação de seus usuários.

‘‘Descumprir as decisões judiciais é fato de extrema gravidade”
Janaína Rodrigues Valle,
juíza federal substituta


análise da notícia
Anatel deve ter o poder de agir

  A longa novela surgida em torno da questão da necessidade de um provedor para conexão à Internet por banda larga é, simplesmente, mais um caso daqueles em que a lei não prevê a evolução da tecnologia. Quando foi elaborada, acesso à Internet era feito quase que somente por telefone, pela conhecida conexão dial-up. O provedor tem os seus computadores conectados o tempo todo na rede. O usuário, quando quer navegar, usa o modem para se ligar aos computadores do provedor, pela linha telefônica, e através deles entrar na rede mundial. De quebra, os provedores dão conteúdo exclusivo, contas de e-mail, espaço para páginas pessoais — enfim, produtos agregados para atrair os clientes.

  Quem elaborou o artigo 61 da Lei Geral das Telecomunicações, possivelmente sem conhecimento técnico e visão de evolução, não imaginou que seria possível separar o serviço de conexão com os serviços agregados pelo provedor, que mesmo em conexões dial-up não são necessários para a navegação e consistem aquilo que a lei chama de Serviço de Valor Adicionado (SVA). Pelas conexões de acesso rápido — não só pelo ADSL das operadoras de telefonia, mas também por conexões por satélite — os dados estão circulando constantemente pelos fios da rede telefônica ou pelo ar. Os computadores que controlam o acesso dos usuários, por senhas, não estão em um provedor, e sim na própria companhia telefônica. Então, a única coisa que um provedor pode fazer é oferecer contas de e-mail, notícias, espaço para páginas. E os dados do usuário sequer precisam mais circular pelos seus computadores.

  O que o caso de Bauru deixa mais evidente, porém, é a incapacidade da Anatel de agir — seja por limitações técnicas ou por falta de ação — contra uma operadora que resolva fazer o que lhe for mais conveniente, acima da própria Justiça. A atitude de lavar as mãos, atribuindo as falhas da LGT a outros poderes, não cabe a uma agência reguladora, que deveria prezar, acima de tudo, pelos direitos do cidadão consumidor. Se não tem o poder de agir, uma agência não tem razão qualquer, além de seus próprios diretores e funcionários, para existir. (Fabricio Rocha)

Google

Digite os termos da sua pesquisa
   
Enviar formulário de pesquisa 

Web www.abusar.org
KoriskoAnim.gif

Internet Segura

Teste a qualidade de sua conexão Internet

abusarXspeedy.jpg (29296 bytes)

AGE - OSCIP

Limite de Download

DICAS

Você pode ser colaborador da ABUSAR
Envie seu artigo, que estudaremos sua publicação, com os devidos créditos !

Compartilhamento de Conexão

Alteração de Velocidade

Mudança de Endereço mantendo o Speedy Antigo

Cancelando o Speedy

Comparação entre Serviços de Banda Larga

Qual a melhor tecnologia da banda larga?

Como saber se seu Speedy é ATM, Megavia, PPPOE ou Capado (NovoSpeedy)  

Guia para reduzir gastos Telefônicos

Economizando Megabytes em sua Banda Larga

"Evolução" dos Pop-ups do Speedy

SEGURANÇA

Crimes na internet? Denuncie

Segurança antes, durante e depois das compras

Acesso a bancos
Uma ótima dica, simples mas muito interessante...

Curso sobre Segurança da Informação

Uso seguro da Internet

Cartilha de Segurança para Internet
Comitê Gestor da Internet

Guia para o Uso Responsável da Internet

Dicas de como comprar
com segurança na internet

Site Internet Segura

Dicas para navegação segura na Web

Proteja seu Micro

DISI,jpg
Cartilha de segurança para redes sociais

Cartilha de segurança para Internet Banking

Cartilhas de Segurança CERT

  1. Segurança na Internet
  2. Golpes na Internet
  3. Ataques na Internet
  4. Códigos Maliciosos (Malware)
  5. SPAM
  6. Outros Riscos
  7. Mecanismos de Segurança
  8. Contas e Senhas
  9. Criptografia
 10. Uso Seguro da Internet
 11. Privacidade
 12. Segurança de Computadores
 13. Segurança de Redes
 14. Segurança em Dispositivos Móveis

Proteja seu PC
Microsoft Security

AÇÃO CIVIL PÚBLICA - MPF
HISTÓRICO
- Processo - Réplica - Quesitos - Decisão

Quer pôr fotos na Web e não sabe como?

Mantenha o Windows atualizado (e mais seguro) !

Tem coisas que só a telecômica faz por você !

Terra

Rodapé


Fale com a ABUSAR | Escreva ao Webmaster | Material de imprensa
Copyright © 2000 - 2009 ABUSAR.ORG. Todos os direitos reservados.
Termos e Condições de Uso
www.abusar.org - www.abusar.org.br

 Search engine technology courtesy FreeFind